sexta-feira, 26 de junho de 2009

Escadas de tília...

.
.

.
.
.
.
Agora, deslocando-se ao sabor da brisa citadina, as folhas de tília vestem o chão, a meus pés.
.
.
A árvore de tília, de que me lembro, tinha uma copa escondida, para lá da latada de uvas brancas, num jardim suspenso, como suspensa ficou, para sempre, a minha infância.
.
.
Quando o baloiço subia, elevava-se o corpo, transcendia-se a coragem e a ousadia... Então, em breves eternidades, a cabeça rompia os limites do jardim [e do visível]...
Com os olhos abertos, para os contornos da luz quente do fim do estio, a copa redonda e imensa revelava-se [triunfal!], na divisão dos mundos!...
.
.
[Saudades de jardins suspensos da babilónica infância... da sentida ascese ao mundo das crianças, enquanto o avô, a madrinha e os pais, descansavam em cadeiras de lona, reclinadas, em trocas de palavras mansas.]
.
.