domingo, 12 de julho de 2009

Quando mudar é regressar...

.
.

.
.
Foi nesta Escola, cheia de árvores e jardins relvados, que acabei o ensino secundário.
Aliás, todos os irmãos, por lá passaram.
.
.
No meu último ano, como aluna, atravessava esta alameda, várias vezes ao dia.
Para além do Laboratório de Física e Química, do Ginásio e do Campo de Jogos, a sala de aulas, que partilhei com 18 colegas de curso, ficava do lado esquerdo... [Mais precisamente, na terceira porta].
.
.
Fazíamos o percurso a pé. Era perto de casa da família.
[Quando chovia, procurávamos o carro do meu pai, que esperava por nós. Acho que nem usávamos guarda-chuva...]
.
.
Foi numa manhã, diferente de todas as outras, que aqui vivemos o 25 de Abril. E vivemos muitos outros dias, sempre diferentes e únicos.
.
.
.
.
Depois de tantos anos, é nesta Escola que passarei os próximos, como professora.
Para trás, ficará uma Escola com vista para o mar...
Nesta mudança, pouco distante da minha casa, sinto um regresso estranho [mas, um regresso, sem dúvida!].
.
.
A Sala de Professores mudou de lugar [ou de nome...].
Era o espaço da minha sala de aula, no primeiro dia em que cheguei... agora, reconvertida noutra coisa.
.
.
[Mudanças e regressos... duas circunstâncias que não me são familiares. Normalmente, não regresso. Fecho a porta e devolvo as chaves... O esquecimento é para ganhar espaço de memória!]
.
.