sábado, 28 de junho de 2008

Devaneios de Verão...


.
.
Calor!... Finalmente.
Agora, procura-se a sombra, para refrescar o corpo…
Ontem, pela primeira vez, em vários meses, passei o dia no Porto, a andar de um lado para o outro, enfiada no carro, durante os percursos.
.
.
O calor, nas cidades de asfalto, não brinca com as brisas do mar, com as nortadas constantes, a que estou habituada.
Tolda a mente, amolece, salga o resto do corpo, onde toda a roupa é quente. Finalmente, apetece a água, a sombra… [por ente raios de luz branca…branca!]
.
.
Segunda-feira, voltarei ao lugar onde o mar se anuncia no horizonte, em todos os dias soalheiros. Voltarei ao lugar onde a manhã, quase sempre, é enevoada e fresca…
Por hoje, é o asfalto, se decidir sair.
.
.
Alguém começa a pensar em destinos para férias, mas com pouco afinco. Alguém começa a ter decidir por mim, que eu não tenho vontade de pensar em deslocações e malas para fazer e desfazer. [Alguém terá que me levar e vamos!].
.
E apetecia-me um lugar, assim, onde a frescura da natureza campestre se anuncia, para lá de uma porta entreaberta ao desconhecido total e inesperado. Um lugar fora do tempo, onde este pudesse parar para me deixar pensar, ou não pensar, onde acordasse quando os olhos se abrissem de apetite, pela primeira refeição do dia [em vez de me doerem do cansaço da véspera, onde a vontade de comer é um ritual de mera sobrevivência…].
.
.
Entretanto, vou arrumando etapas [daquelas que, para o ano, há mais!].
Entretanto, ainda tenho assuntos por acabar e os olhos vão ter que se cansar… um pouco mais, mais um pouco, ainda mais um pouco…
.
.
[E fica adiada a visão desta porta entreaberta ao sonho de mais um Verão, que espero não estragar com a ressaca do ano, que também foi um encontro com o desconhecido e com o inesperado, cansativo de peripécias, algumas, bem dispensáveis.]
.

Foto de mariah em www.olhares.com
.