sábado, 7 de junho de 2008

Vagas e um farol, para um sábado de reclusão...



.
.
Venham ondas, venham, para limpar esta sensação de cansaço!...
Que um farol indique o caminho a não seguir... se é que não me enredei por recifes que devia ter evitado!...
.
.
[Olhei para a minha agenda, só para a próxima semana... e assustei-me.]
Está sol no meu relvado. Parece, até, que vai estar calor. Mas, não o irei sentir.
Contento-me em pensar na urgência de um farol e de uma vaga adstringente e asséptica, para o meu fim-de-semana.
.
.Conseguisse, eu, cumprir a agenda e sentir-me-ia mais tranquila. Isso, me bastaria, para já.
Dias complicados se avizinham. Porque é difícil coordenar pessoas e gerir interesses outros. Ao contrário do que, toda a minha vida me disseram [tentando convencer-me...], cada vez acho que tenho menos jeito para isso. Cada vez me canso mais e me sinto com menos força para ser timoneiro de embarcações, que não reconheço como minhas...
.
.
[Mas, parece que há que navegar, mesmo assim. Mesmo assim...]
.
.
1 de Hugo Amador 2 de Rita Teixeira, Fotos de www.olhares.com