quarta-feira, 27 de agosto de 2008

De certas paragens...


.
.
Muito a medo, sem mexer demais a cabeça… a dor é, ainda, recordação recente.
Medo futuro… inseparável inevitabilidade…
Anuncia-se. Instala-se. Vai.
E voltará.
É sempre uma questão de tempo. Desde os tempos que me conheço…
.
.
Entre a revolta, sempre… e o silêncio triste… mora tempo perdido, quase morto.
Aceita-se o que não parece ter remédio [porque ao ser, assim, remediado está… paragem que não se deseja… dormência que faz parar… quando se pode…].
.
.
[Hoje recomeça-se, devagar… ânimo preso… asa caída… dorida.]



com filtro de nightshot, foto nocturna
.
.