sábado, 29 de março de 2008

Amanhã continuo... porque hoje é quase madrugada.


.
.
Cheguei demasiado tarde a casa, em mais um dia de muitas saídas e entradas.
[Pelo menos, pus em dia a vacina anti-tetânica, que devia ter tomado em 2004 e conheci a médica de família do Centro de Saúde que, finalmente, depois de alguns anos de espera, nos foi atribuída. O braço esquerdo lateja, mas é o menos...]
.
.
Em fim-de-semana, com a perspectiva, mais do que certa da segunda-feira, era um recanto cor de rosa que me apetecia ter à minha espera.
Assim, encontrado por acaso, por de trás do verde escuro de uma folhagem bem densa [como se estivesse ali, só para mim...].
.
.
Vou pensar nos breves momentos em que foi só meu e vou dormir.
Farei várias inspirações e expirações profundas [mais longas as últimas do que as primeiras].
Amanhã, espero acordar com alguma vontade de preparar o regresso, apesar da dor no braço e das tarefas para ultimar.
[Os últimos dias insistiram em não me deixar trabalhar. E eu, sem paciência para os contrariar, deixei!...]
.
.
.
Recanto em rosa, roubado por entre o verde escuro