quarta-feira, 12 de março de 2008

Quarta-feira entre Festas...




.
.
Ontem, a minha única sobrinha fez anos.
Amanhã, a minha única sobrinha fará a festa de aniversário.
.
.
Ontem, cheguei demasiado tarde.
Amanhã, chegarei demasiado tarde.
Hoje, quarta-feira, entre as duas Festas de Aniversário, é demasiado cedo e é demasiado tarde...
.
.
Para a minha única sobrinha é sempre a tempo e é sempre o tempo [compraz-me pensar que também já fui assim... e que, em tantas pequenas coisas, me revejo nesta menina quase a deixar de o ser...].
.
.
E é linda a minha única sobrinha...
Tenho saudades das poucas noites em que ficou na casa da tia.
Pequenina, ocupava toda a cama imensa de casal.
Deixava-me a dormir num canto...
.
.
Pela manhã, acordava com o cabelo loiro... loiro... todo revolto e pedia ovos mexidos para o pequeno-almoço.
O meu filho olhava-a, desconfiado [também mais pequeno, mas sempre mais velho e maior], a imaginar um dia de ciúmes silenciosos, que já começara na véspera, com o roubo da cama da mãe.
.
.
Depois, mesmo chuviscando, o prometido era devido.
Rumo à praia...
conversas com todas as crianças...
abraços e beijos em todos os cães...
primeiro, descalça...
depois, meia despida...
Porque o sol fazia-lhe a vontade!
E aparecia... quente e ameno
para não queimar a alvura
da pele, branca... branca...
.
.
Parabéns distantes
para a minha
única sobrinha.
[Não no espaço... mas no tempo.]
.
.
.
Foto de uma vida nova e curiosa à procura de tudo e de nada