sábado, 3 de maio de 2008

Estetos[cópio] para uma sombra...


.
.Talvez tenha chegado a hora de ouvir o meu corpo, que insiste em se manifestar, veementemente.
Se a mente o impele para a frente, sem dó nem piedade, nem pelo acidentado do caminho, sem o indagar se consegue acompanhá-la, numa viagem cujo mapa é cada vez mais indecifrável [e cujos contornos começam a esbater-se] – pois, terei que o escutar.
.
.
Para aqui está, cansado, a tossir uma tosse ignorada, a doer uma dor adiada [a querer dizer-me que a viagem que escolhi lhe faz mal] e talvez não aguente mais uma subida íngreme, mais um dia de cargas e descargas, para nada.
.
.
Talvez tenha chegado a hora de entender a sua falta de força, por não colaborar com a dona [como se de um animal se tratasse, porque sempre o tratei assim…], como se quisesse esquecer que também é sobre mim que escrevo, quando dele falo.
.
.
Se me abandonar, a meio da viagem, o que é que faço?
Pois se vacila, já...
Pois se me envia sinais, que insisto em ignorar...
[Se me abandonar, o que é que faço?]
.
.
Paro.
Finalmente, paro.
Talvez tenha tempo para desenrolar o mapa e perceber que pouco se lê da sua sinalética.
Que me enganei quando escolhi este e não outro…
Que as linhas desbotaram de tanto o abrir, à espera de encontrar o que lá não poderia estar…
Porque, não é este, o mapa da minha viagem!
.
.
Não é.
Talvez pudesse ter descoberto antes. Talvez…
Mas…, preciso de perceber na carne, como é meu costume [até doer], o que houvera para perceber.
.
.
Por isso, chegou a hora de devolver o mapa, a quem melhor uso dele possa fazer, enrolá-lo com cuidado, voltar a colocá-lo no sítio de onde o tirei. [Porque não consigo deixar de ser educada e estragar o que não é meu…]Antes de escolher um outro [se é que preciso de mapa, se é que preciso de obrigar o meu corpo a esticar-se, até à derradeira prateleira, onde a minha mente, já delirante, insiste em procurá-lo], hei-de pedir-lhe, gentilmente, se me ajuda a desfazer as malas desta aventura para a qual o arrastei…
Se me concede o favor de me acompanhar, pelo menos, no regresso e nos seus preparativos [ainda necessários]
E se me ajuda … a escolher a próxima viagem
.
.
[Se me agarra o ombro, com firmeza, quando estiver a exigir um passo que não posso dar, para que abrande a caminhada… Se me endireita o pescoço esguio demais, curioso demais, nervoso demais, para que observe bem o caminho…]
.
.
Auto-retrato