domingo, 11 de maio de 2008

Omissões...



.
.
Ontem, o céu cor de chumbo omitiu o compromisso, mais que visível, da chuva, do granizo e da trovoada!...
.
.
Com a maior falta de consideração, pelos anúncios da metereologia, calou-se e não soltou uma pinga de água! [Incompreensível, no mínimo...]
.
.
Hoje, os pássaros cantam no meu jardim, depenicam no meu pequeno relvado urbano [um quadrado verde que me esqueço de apreciar] e engordam de dia para dia...
.
.
Hoje, com uma amabilidade que não esperava, o sol apareceu explícito!...
Fez-me esquecer a omissão de um céu cor de chumbo.
Afinal, as nuvens negras não tinham nada para anunciar, a não ser o seu silêncio e um sol de domingo.
.
.
[E ensinaram-me a confiar no meu tempo e a desconfiar de outros tempos. Nada como uma boa omissão, para tornar o resto mais explícito... para afinar a posição de voo e apurar a trajectória.]
.
.
Fotos de um acto falhado, sob um céu omisso