sábado, 16 de fevereiro de 2008

Garras e unhas apontadas para o céu...




.

Continuo a olhar para cima... [Já não olho com o nariz empinado, olho assim, porque sim.]

.

Talvez me doam as pernas, de tanto andar e de tanto estar de pé.

.

Como insisto em pensar que pouco ou nada terei a meus pés [título de um post antigo, que gerou alguma discussão metafísica, até...], descubro as minhas garras em troncos de árvore podados, que aguardam a primavera.

.

Um rebento, (des)atento ao calendário das estações do ano, insiste em despontar, no meio de unhas e dedos zangados.

.

Outros virão, mais tarde [agarrados aos braços das árvores, claro, enquanto procuro metáforas para mim, narcísica e porque não?].

.

em outra cidade onde o meu olhar está preso, Fotos de árvores quase nuas
.