terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Verosimilhanças...


.
..Como um gato preto
seguiu-me toda a noite.
O meu medo,
o seu encanto,
levaram-me
às ruas mais estranhas
às portas mais fechadas
no mais desconhecido
dos desejos:
perder-me no seu corpo.
.
.
[A melhor das ficções
e o melhor dos falsários
pintaram de cor
a secura do meu sono]
.
.

E, no melhor dos ardis,
com a perícia
do mais hábil construtor,
ergueu na minha noite
a verosimilhança
de um amor.
.
.
.
.
Foto retirada da net e modificada, poema de um ar de 1980