quinta-feira, 24 de julho de 2008

Carimbos e marcas que o tempo levou…


.
.
Aqui há uns anos, depois de uma empreitada valente, às voltas com uma tese de mestrado e um orientador sempre ausente [que, em altura crucial, de defesa de tese, se deu ao luxo de desaparecer, para o Brasil, ou parte incerta da América do Sul, numa sabática escandalosa, que nos fez esperar, a todos, cerca de um ano…], o início das minhas férias foi passado aqui em casa, na oficina ao fundo do jardim…
.
.
Soube-me muito melhor do que uma viagem… sei lá aonde!...
Aproveitei umas experiências do mestre e trabalhei ao lado… Ensaiavam-se óxidos sobre azulejos [mais tarde, vidrados…]. Sem pressas. Com calma, para variar. O silêncio não era preciso ensaiar… Larguei a escrita académica... Deixei de pensar em orientadores que nos arrebanham para nos desorientarem… e descansei.
.
.
Hoje, mesmo que quisesse repetir as mesmas proezas: pintar azulejos em silêncio e defender uma tese de mestrado sozinha… acho que não seria capaz.
Nessa altura, ainda as enxaquecas e os seus efeitos devastadores, do dia seguinte, não aconteciam numa base tão regular… [Nessa altura, ainda tinha não sei o quê, que me faz falta... agora... e, que prefiro nem indagar, para não me assustar.]
.
.
O passeio de ontem, felizmente, não era o início de uma saída por vários dias, ou não teria conseguido deitar-me e descansar, depois de mais uma enxaqueca. Hoje, não estaria sentada, com outro analgésico menor, a tentar mexer-me o mínimo possível, para não alterar a posição das cervicais…
.
.
Por muito que quisesse deslocar-me até à oficina, ao fundo do mesmo jardim [que mudou bastante, pelas nossas póprias mãos, nos últimos anos…], não seria capaz de baixar a cabeça e de fixar o olhar, sem sentir dor.
.
.
Andei a vasculhar umas fotos antigas e descobri estes carimbos [foi assim que lhes chamei, numa primeira fase, só com óxidos…], que já nem tenho. Ofereci-os. Tudo me leva a pensar que foram os primeiros, na sua simplicidade monocromática...
.
.
[Só hoje, os apreciei, realmente. Não… nunca tinha pintado com óxidos sobre azulejo. E sim… há toda uma série de experiências que comecei e nunca tiveram continuidade. Porque o tempo é assim mesmo… nem sempre se oferece, no momento certo… nem sempre se dá incondicional… a maior partes das vezes, apresenta-se como um contratempo… ou a contra-tempo, como hoje. De castigo, fiquei sozinha em casa, à espera de melhor tempo…]
.
.
Fotos de azulejos pintados com óxidos e esgrafitados